O plano chinês para dominar o mundo em 2049

O plano chinês para dominar o mundo em 2049

Tempo de leitura: 7 minutos

Antigamente a China não era muito grande no sentido de economia. Nunca foi muito relevante nessa área, mas à partir dos anos 2000, a China começou a mostrar sua força ao mundo. E um pouco mais pra frente podemos ver um plano chinês sendo elaborado (Continua aqui comigo que eu já te explico).

         Como?

         Começando a ter participação no mercado internacional. Então, nos anos 2000, a participação da China era de 5%. Mas se fizerem uma breve pesquisa, poderão confirmar que em 2017, subiu para quase 20%.

         Ou seja, conforme o tempo foi passando, o país cresceu muito no quesito economia. O nível de crescimento do PIB ficou próximo à 10% ao ano. Que é realmente muita coisa! E para nós brasileiros, isso é algo inimaginável.

Para comparar: desde 2012, o máximo que o Brasil cresceu de PIB foram 3% no ano de 2013, e em 2014 houve uma queda onde a marcação era de 5% e estagnou até 2016. E entre 2017 a 2019 o Brasil voltou a crescer. Mas percebeu? Nada perto da China.

         Desde os anos 2000, a China multiplica seu crescimento de forma absurda e conforme foi crescendo, desbancou outros países como Alemanha, Reino Unido, Japão, até que ficou em 2° lugar no ranking de maiores PIBs, perdendo apenas para os Estados Unidos.

PLANO CHINÊS PARA DESBANCAR ESTADOS UNIDOS

         Sim. A China tem um plano para desbancar os Estados Unidos em 2049. Os presidentes chineses seguem um plano para que sejam a maior potência mundial do mundo.

         Diferentemente do nosso país, eles seguem o plano à risca. Aqui no Brasil temos o costume de ver trocas bruscas de ideais de acordo com a mudança de governo. Porém lá, todos concordam em manter e dar seguimento ao objetivo.

         Mas por que isso está acontecendo, Lucas?

Existia um certo preconceito com produtos chineses. Eram associados à baixa qualidade, mas com o passar dos anos isso mudou. Grandes empresas chinesas estão no nosso dia a dia, como a Xiaomi e a Huawei. Inclusive o maior parceiro comercial do Brasil é a China, fornecendo itens de vestuário, computadores e uma variedade de outras coisas.

Uma novidade também, é que a Xiaomi pensa em abrir uma fábrica aqui no Brasil (por causa dos impostos!).

Ou seja, aqui podemos ver, que coisas que considerávamos ruins – produtos chineses – foram mudando e hoje está muito presente no nosso cotidiano. Estamos mais rodeados de coisas que foram fabricadas na China do que você pode imaginar. Sabe seu Iphone? Pois é. Veio de lá.

Por isso, essa grande indústria vem chamando grande atenção no mercado internacional. Então para quem tem um mercado interno, para você ter noção, chegou a 1,4 bilhões de pessoas em 2018. MUITA GENTE!

Você tendo uma empresa em um país com a população tão grande, garante uma demanda interna para sua empresa. E a empresa vai estar dentro de um ciclo de “geração de lucro”. Isso incentiva a empresa a buscar outros horizontes, pois já está gerando lucro suficiente, estabilizada.

Por isso a China está indo ao mundo com suas empresas e marcas. Porque a demanda interna é muito grande e isso fortifica a China. Veja essa declaração do Vice-diretor de Colaboração do Ministério de Comércio da China:

A demanda interna da China tornou-se um fator decisivo para o desenvolvimento econômico do país, isso nos dá confiança para buscar mais, ir além das nossas fronteiras.

O que isso significa? A China está indo ao mundo! Mostrando sua cultura, seus produtos, suas tradições… E mesmo que a gente não perceba, estamos cercados de coisas chinesas.

Voltando a falar do plano chinês: em 2013 o presidente da China lançou um projeto chamado “Um cinturão e uma rota” e é através desse projeto que deseja ultrapassar os Estados Unidos.

Mas sobre o que é esse projeto ?

Ele diz a respeito de recriar a antiga rota da seda.

O que é Rota da Seda?

Calma, vou explicar.

A rota da seda era uma série de vias de rotas interconectadas através da Ásia, Europa e África. Ela acontecia há muitos e muitos anos atrás (tem até mesmo alguns relatos que falam que elas existiam na época antes de Cristo.).

A Rota da Seda original começava na cidade de Chang’na na China, até Antioquia na Ásia Menor. A sua influência foi tão grande que foi aumentando para o Japão, Coreia… E assim formou a maior rede comercial do mundo antigo. Essas rotas eram muito importantes para o comércio desses lugares, mas também das regiões por onde passaram.

Essa rota era dividida em Rota do Sul e Rota do Norte:

– Rota do Norte: Leste Europeu, Península da Criméia, Mar de Marmara, Bálcãs e Veneza.

– Rota do Sul: Turcomenistão, a Mesopotâmia e a Anatólia

– Chegando nesse ponto, a rota se divide em rotas que levam a Antioquia, ou ao Egito e ao Norte da África.

– Rota da Seda Marítima estende-se a China Meridional (atualmente Filipinas, Brunei, Sião, e Malaca) até destinos como Ceilão, Índia, Pérsia, Egito, Itália, Portugal, e até a Suécia.

Aqui você deve estar se perguntando o motivo da palavra “seda”. E isso é porque os chineses eram os únicos que sabiam fabricar seda e mantinham isso como um segredo. Então, em um passado remoto os chineses aprenderam a fabrica-la à partir da fibra branca dos casulos dos bichos de seda.

Quando os chineses começaram a ter contato com os países ocidentais, perceberam que eles estavam dispostos a pagar muito caro por essa seda. E aí está a importância da Rota da Seda.

Com isso, podemos confirmar que o networking que você tem vale mais que o dinheiro que você tem. Observe:

Se você quiser passar uma linha de trem pela Rússia, você vai precisar ter um acordo e estabelecer uma relação com a Rússia. E assim, você desenvolve comércios por lá. E assim por diante. Pensa na quantidade de negócios e quanto dinheiro que isso pode gerar.

São 188 países envolvidos atualmente nesse plano! E mesmo o Brasil ainda não estando dentro da Rota, é claro, através de acordos pode acabar entrando. E ainda assim, nosso país já possui uma influência de empresas chinesas bem forte.

A china tem hoje uma economia muito segura, então aos poucos foi se expandindo para os outros países fazendo acordos para que fosse feita uma nova Rota da Seda. E obviamente não irá comercializar apenas seda, mas tudo o que for possível.

Esse é o principal plano! Por enquanto, são ao todo 138 países pelo mundo envolvidos direta ou indiretamente com esse plano.

Uma curiosidade é que, como dito anteriormente, o plano chinês tem previsão de conclusão para 2049, que coincide com o aniversário de 100 anos da República Popular da China. Será que vão conseguir?

Mas o que isso influencia na nossa vida?

         Vamos ver:

As empresas chinesas estão chegando no Brasil, e isso tende a aumentar exponencialmente. E o que isso vai gerar?

Se você disse EMPREGOS, acertou!

Mais oportunidades de emprego chegando para quem tiver conhecimento sobre a China e seu idioma. Por isso, você deve estar preparado e por dentro desse plano chinês, para não perder nenhuma chance nova!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *